maio 13, 2018

Eurovisão 2018

Não sou um assíduo espectador do festival Eurovisão. Mesmo tendo um familiar que representou Portugal na 9.ª edição em Copenhaga, nunca tive grande interesse no evento. Desta vez, embalado pela vitória do nosso Salvador Sobral e pelo facto de se realizar na nossa Lisboa, fiquei de olhos postos na RTP.
Conclusão, estou a digerir o facto de me ter apercebido que não entendo nada de música, mesmo após anos de esforço.
Pior que o último lugar de Portugal, é o primeiro de Israel. Até porque o último, é menos escandaloso em termos meritórios. Para mim aquelas flores nunca foram muitos vistosas – bem pelo contrário.
Tenho de deixar uma palavra à tremenda organização do Festival, o que a todos nos devia orgulhar. (Ainda com o percalço do Reino Unido).

*Estou consciente que não conheço os critérios de avaliação das prestações, todavia, tinha de exorcizar o meu protesto.