02/11/2016

E tu, sabes abastecer o teu carro?

São imensuráveis as aulas sobre o código da estrada, outras tantas respeitantes à condução, mas colocar combustível na viatura que é vital, ninguém ensina. Ao menos que no fim alguém soubesse fazer rotundas de duas ou três faixas. Mas nem falar disso é favorável.

Por alienígena que vos possa parecer, provoca-me mais aversão os «inaptos do abastecimento», do que propriamente a loirinha com os dentes de fora que deixa o Yaris a Diesel ir a baixo cinco vezes antes de arrancar. Isto numa descida.

Para tentar ser mais célere, fino e afoito, o senhor condutor parou a viatura do lado errado do posto de abastecimento, e então andava em disputa frenética com a mangueira retesada a tentar ladear o carro, para o conseguir abastecer. Assisti em primeira fila a uma casta rara de bombeiro careca, desfardado, que a lutar, estava a ser picado por 17 abelhas.

Se ele podia chegar o automóvel à frente para que a mangueira alcança-se o depósito? Podia pois. Mas por ser homem de barba rija, preferiu abrir as portas traseiras, e fazer passar a pistola e devida mangueira, por dentro do carro.
Se conseguiu abastecer? Naturalmente que não, mas valeu bastante a pena ver o espectáculo. Estive bastante próximo de pela primeira vez, contemplar um homem enforcar-se numa mangueira de abastecimento, sozinho. Ninguém o ajudou e ele sozinho, ia-se mesmo falecendo por três vezes. Nem nos escuteiros eu aprendi a fazer aquele laço. Resistiu por pouco e, resolveu então chegar o automóvel um pouco à frente. Do alto do seu metro e meio, empurrou o carro (para não gastar combustível certamente) e a mangueira já se tornava eficaz naquele depósito vazio.

Ao fim de (mais) 7 minutos o automóvel estava atestado, e a pistola fazia “cliques” por todos os lados. Mas homem que é homem não se detém ao primeiro “clique”, e insiste mais um pouco. Insiste só até o depósito de cheio que estava, esguichar combustível em jorro, ao ponto do Sr. Bombeiro ficar com os sapatinhos todos molhados e odoríficos.

Com isto já iam 25 minutos de espera e, fosse eu fumador, arremessava-lhe uma beata ao pézinhos, só para exteriorizar o meu desagrado atinente aos «inaptos do abastecimento».