setembro 18, 2016

AS DESCULPAS QUE NÃO SE PEDEM, SENÃO EM TRIBUNAL

Assistimos em primeira fila ao desmantelamento da Democracia.
Juízes de Instrução Criminal que não têm a capacidade de se distanciar dos arguidos. Comunicação social que se constitui Assistente num processo com o exclusivo proveito em transgredir o seu segredo nas bárbaras manchetes de pasquins rasteiros. Anuência colectiva na violação de todos os prazos consagrados na lei processual.

É tão absolutamente perverso como real, o impacto que a comunicação social irresponsável e subordinada a uma agenda económica e ideológica, tem na justiça.
É absolutamente perverso o impacto que a promiscuidade de alguns agentes da justiça de proeminência com a comunicação social leviana, têm na justiça.

Não é democraticamente razoável a postura que o Correio da Manhã tem vindo a fruir ao longo de vários processos mediáticos.
Desprestigiando a Justiça. A Democracia. Os Órgãos de soberania. Inclusive, a separação de poderes.
As desculpas não são bastantes, quando o impacto é de uma proporção avassaladora. É de um crime que falamos. – Não carecemos de revisões constitucionais, ou reformas penais. Essencialmente, urge que se cumpram as que existem.

O Correio da Manhã não se limita a assumir o erro de uma notícia falsa, (que sem pudor algum a publicou em primeira página) como identifica o mentor de tal afirmação - O Exmo. Sr. Procurador Rosário Teixeira.
Se dúvidas existiam relativamente à origem das fugas no Segredo de Justiça, só alguém muito patego ou fanático ainda repousa na ignorância.

As proporções deste ataque reiterado à Democracia, já não permite que se imiscuam personalidades como a Ministra da Justiça, a Procuradora Geral da República, o Primeiro-ministro, e inclusive o Presidente da República.
Sim Professor Marcelo, há-de chegar o momento em que o porte de encantar a este mundo e ao outro, tem de terminar.
O desmantelamento da Democracia, é um desses momentos.