28/02/2016

O QUE AS MULHERES ENTENDEM DE FUTEBOL

Como apaixonado por futebol, devo dizer que ver um jogo de futebol ao lado da namorada é o equivalente a levarmos uma calculadora para um exame de matemática, mas sem pilhas. Não fazemos as contas, nem o exame.
É impraticável desfrutar do brilhantismo da equipa, do regozijo da finta ou mesmo da mágica do golo. Porquê? Porque somos bombardeados com interrogações de quem compreende tanto de futebol como eu de física quântica. Experiência insuportável.
Quando assistimos a um jogo, há de forma obrigatória uma questão que surge, porque serve de mote à sua demonstração de interesse:
«Então, onde é que é isto
Ora bem, mas qual é o interesse de onde seja o jogo? É num campo. Tanto faz.
Já não bastava o Eliseu ter 256 kg, a rapidez de uma lesma em marcha-atrás, o Benfica estar a perder desde os 3 minutos de jogo e, ainda tenho de saber o número de polícia e morada do estádio onde se realiza o jogo. Neste momento sinto-me competente de enviar cartas, de cabeça, para qualquer estádio de Europa! Foi o que esta idiotice me regalou.
Quando senão, após dois delongados minutos em que coerentemente diga-se, liberto grunhidos histéricos ao mundo porque o árbitro concede “lei de vantagem” a um jogador no meio de 3 adversários, surge:
- “Amor, é possível marcar penalties de cabeça?
- “Então não é… nos matraquilhos! Agora deixa-me ver o jogo, vá”.


Germinam 7 caretas indigestas porque fui bruto na resposta e, após cinco, sim cinco(!) minutos de silêncio onde focado, transpiro mais que o meio campo do Benfica, ela berra como se um antílope lhe estivesse a mastigar um pé, e afirma:
«AGORA!!! Agora é que o Benfica podia aproveitar para atacar porque a defesa contrária está muito subida amor!»
«Agora… É o intervalo».
(…)
«Pois, mas eu também não concordo com a selecção dos jogadores o Benfica Ivo».
«… Não?»
«Não. Eles só mete os jogadores grandes em campo. Os pequeninos coitados, que estão ali à aquecer há imenso tempo e nada!»
«… São os apanha-bolas
».


E ainda faltam 45 minutos…