29/01/2016

André Carrillo no Benfica

É hoje um dia pesaroso!
Em matérias sensíveis como esta não há clubes, cores, ou sentimentos revanchistas. Assistimos por ora ao sumiço de uma promessa desportiva inestimável. E conceber que há tão pouco tempo Carrillo era na opinião do Cérebro, pedra basilar da sua equipa (!) enquanto no Ritz, degustavam a tentadora sugestão de “Trufa Branca”. Chegou mesmo, a ser mencionado como condição sine qua non porém hoje, tão drasticamente se inutilizou, de uma assinatura para outra.
Tornou-se pérfido, deplorável, paupérrimo.
Ora deixem lá, a equipa B precisa de reforços.



Quem semeia tempestades

Só um apontamento e, sem de forma alguma lançar ideias epidérmicas.
Naturalmente que após o arquivamento de um processo como é o “Caso dos Vouchers”, parece-me que uma instituição como o Sport Lisboa e Benfica, fica numa posição desconfortável no que concerne ao seu bom-nome, credibilidade e honra, quando determinadas declarações ao serem proferidas através de um meio de comunicação social, em horário nobre e, onde a difusão da mesma é obviamente amplificada, e pela pessoa que foi, com as responsabilidades que tem, abre-se aqui um espaço onde a instituição visada poderá querer ver-se judicialmente ressarcida dos seus direitos.
Á luz do arquivamento do processo, poder-se-á entender que as palavras proferidas pelo Presidente do Sporting Clube de Portugal, não tiveram outro conteúdo ou sentido senão o da difamação, tendo sido verdadeiramente lesivas da honra e consideração do visado.

25/01/2016

Adeus Cavaco

Há alguns anos que não beneficiávamos um inquilino em Belém capaz.
A eleição de Marcelo Rebelo de Sousa, nas circunstâncias actuais, só pode ser observada como uma notícia generosa.
Hoje a vitória é de todos os votantes. De todos menos daqueles que rebuscam leituras partidárias atribuindo vitórias e derrotas em eleições presidenciais. Não as há. Por favor, Portugal.

24/01/2016

Doutor é que não, há lá maior difamação!

É como visado que escrevo estas dolorosas palavras. Têm sido veiculadas infelizes e falsas declarações que colocam em causa a rectidão da minha formação pessoal.
Vejamos:
«Vem Doutor para aqui, Doutor para ali» e, qualquer pessoa de boa-fé, pode averiguar que desde meados de Dezembro de 1986, em todas as formações básicas que frequentei, só não chumbei por faltas por especial altruísmo das entidades avaliadoras. Sempre fui um deplorável aluno e, nunca consegui iludir para benefício conveniente. Nada.

Como declaração de interesse, repúdio essa conotação sub-entendida de diplomacia que me é dirigida em feição de ultraje e desonra, especialmente, em momento que mais que nunca se discute a sua parca eficácia na sociedade portuguesa. Quero crescer como pessoa, alicerçar a minha família de forma estável e confiante, contudo são estas sombras pesadas demais.
Não existe da minha parte o menor preconceito acerca dos Srs. Drs., convivo com alguns, sou a favor do casamento entre si, e mesmo a adopção, porém não sei, nem irei aprender a fazer um nó de gravata. Isso não.
Doutor é que não, há lá maior difamação!

23/01/2016

Quintino Aires

Quintino Aires é em si, uma vigorosa campanha de difamação e descredibilidade da Psicologia e, dos seus profissionais.
Aquando da repreensão feita pelo Conselho Jurisdicional da Ordem dos Psicólogos, lamenta-se a pena de dois anos ter sido deliberada como suspensa na sua execução, pelo que consente que tal figura com (i)responsabilidades manifestas, gravite no panorama audiovisual, envolto de apreciações mundanas bem ao estilo de Reality Shows baratos.

19/01/2016

António Almeida Santos

Ausentou-se com 89 anos uma figura ímpar da história nacional, onde nas mais altas funções do estado, o seu contributo para a consolidação democrática não deve ser esquecido.
O país está mais árido e, a política portuguesa de luto.
Um abraço fraterno.:



14/01/2016

Piropo e o Princípio da proporcionalidade

Ultrapassar a estupefacção da "criminalização do piropo" é, apercebermo-nos que este, tipifica uma moldura penal superior ao crime de "Injuria" ou "Difamação".

13/01/2016

Isto tem sido, Marcelo Rebelo de Sousa

"Eu sou a esquerda da direita, a direita da esquerda, o centro do centro, a parte baixa dos que estão em cima, a parte superior dos que estão em baixo, o liberal dos conservadores, o conservador dos liberais, o católico dos ateus, o ateu dos católicos. Sou o que os senhores quiserem desde que votem em mim".
Ass: Marcelo Rebelo de Sousa

07/01/2016

Marcelo, ele é tudo e, o seu contrário

Se é óbvio que Marcelo Rebelo de Sousa vencerá estas presidenciais de cadeira, não é menos evidente que tem a avidez necessária para ser indistintamente tudo e, meticulosamente o seu contrário.
A supremacia que Marcelo conserva neste momento, coloca-o no trono da apatia onde tem medo de saber algo, não opina sobre nada e, não sente coisa alguma.
Este “Cavaco Silva a cores” recorda-me aquele petiz que na escola olha para a tampa da caneta ou finca a unha na borracha verde, porque sente que assim dissimulado, a professora jamais o chamará para ir ao quadro.