04/06/2015

Adeus Jorge Jesus!

O treinador Jorge Jesus não aceitou a nova dinâmica assente na contenção de custos e aproveitamento da formação de Luís Filipe Vieira, e decidiu “identificar-se economicamente” com o projecto (oportuno) de Bruno de Carvalho, assente no investimento, onde poderá auferir até 6 Milhões por ano.

(Afastando-me da circunstância económica), a minha inquietação não passa pela transferência de Jorge Jesus para o Sporting C. P, mas antes pela possível vinda de Rui Vitória para o S.L.Benfica.


Não duvido da sua habilidade como treinador, mas tenho as minhas reservas no que diz respeito ao impacto que a responsabilidade de treinar uma potência como o Benfica pode ter.
Descansava-me mais um treinador com alguma experiência europeia, e com o conhecimento da circunstância de 2 jogos por semana, como Paulo Bento ou Marco Silva(!).

Hoje deu-se uma jogada arriscada para os dois maiores clubes de Lisboa.


Se por um lado (S. L. Benfica) saiu um bom treinador, que nos deu muitas alegrias, confiança e querer; para os lados do Sporting C. P. chegou um bom treinador, que à sua imagem, terá de enfrentar um Presidente que não sabe ser figura de segundo plano.
A saída de Marco Silva poderá de facto ser uma pedra mais pesada do que se julga, num prazo não tão longo.
Há ainda a “situação Augusto Inácio” – que é pública a animosidade entre eles.


O Presidente Bruno de Carvalho, copulando-se à figura de líder de claque, não reúne de todo as exigências inerentes ao prestígio de qualquer instituição desportiva de grande dimensão como é o caso do Sporting C. P., porém toda esta repentina alteração na estratégia desportiva assente no investimento, tem um nome – Álvaro Madaleno Sobrinho.

Lanço um repto, a que façam uma rápida pesquisa por este senhor que certamente trará ao Sporting C. P. mais Milhões além dos 6, contudo também se levantarão suspeitas de que tudo o que entra sai, e nem sempre da mesma forma.


Nota: Benfica deveria repensar Marco Silva, demonstrando que quem ganha jogos é uma estrutura, acima de um treinador. Fechem as fronteiras a tempo, porque Sevilha é aqui tão perto.