maio 30, 2015

Maior interesse da criança

Quando fez 1 ano de idade, a mãe separara-se do pai, vivia com outro homem e, nunca mais tentou o contacto com a filha.
A pequena de agora 3 anos vivia com o pai (que padecia de alguns problemas mentais ligeiros), com uma tia, e a uma distância de 2 anos da mãe.
Fosse pela tenra idade, ou pela incomensurável ausência, não era de todo notória a falta da sua progenitora no comportamento da menor.

Tamanha ausência não a impediu porém (a mãe), 2 anos volvidos, de intentar uma acção de Regulação das Responsabilidades Parentais, onde tentava ficar com a tutela da menor.
O principal argumento era, “Eu sou a mãe, e o pai é maluco!”.
Automaticamente vi-me no “I am Sam” do Tom Hanks.

- “Veja Sr. Dr., veja como ela está bem”, esclarecia a tia a meio da audiência enquanto me exibia várias fotos no Iphone, onde a pequena menina pousava para as fotos agarrada aos seus peluches preferidos.

É inegável a proeminente relevância da figura maternal numa criança de três anos. Relacionando com a idade, quer na sua formação, mas particularmente na estrutura. A criança carece dessa referência para germinar valores e princípios que a possibilitarão crescer como cidadã mais consciente dos valores familiares.

Por muita censura que automaticamente queiramos atribuir à mãe aquando a abandonou por dois anos para ‘fugir com outro homem’, esse é um ónus que a menor não deve suportar, e por sua vez ver-se cerceada de tamanha figura essencial para o seu crescimento.

Obviamente que a tutela foi partilhada, musculada, e prudente no sentido de salvaguardar a menor de um futuro sumiço da mãe, que confiamos não acontecer. A pequena merece. Só ela.