31/10/2014

A modernidade arranca-me anos de magia.

Sinto-me saudosista de um tempo que não vivi. Nostálgico do ‘respeitinho é bonito’, eu gosto, e não só. Também fica bem. Melancólico da vergonha de cortejar, da ansiedade do soneto perdido, da apresentação com três nomes, do cumprimento em osculação da mão direita da Senhora. Porque das meninas não se fala. O levantar do chapéu liso do senhor na chegada, a ligeira oscilação de joelhos da Senhora na partida.
Hoje saio à noite, e a modernidade arranca-me anos de magia.