29/04/2013

Manet

Faz hoje 130 anos que partiu Manet. Mas ficou como um dos mais extraordinários criadores do séc. XIX. Quando o vi pela primeira vez percebi que é possível pintar a alma. Tinha de deixar por aqui este apontamento.

27/04/2013

Filas de trânsito


“Jamais se nutre sentimento mais sincero, que aquele pela condutora do lado numa fila de trânsito”. Isto é universalmente certeiro, acreditem em mim porque ao meu lado, o professor Bambo é um amador que não adivinha um incêndio nem quando as chamas lhe estão a tostar o rabo. Na condução a caminho de casa, existe a folia do dia terminado, e lá vamos nós, sem imaginar que em menos de 1 km vamos estar paradinhos na fila da 25 de Abril em hora de ponta. E não é uma fila qualquer, é daquelas filas em que os condutores que avançam em sentido contrário já olham para mim com pena. É precisamente nesta altura que o rádio grita como nunca antes, “Trânsito lento nas saídas de Lisboa...” Lento? Isto está parado! “...nomeadamente a evitar os acessos á Ponte 25 de Abril, com atrasos de 45 a 60 minutos” Ainda bem que avisaste a tempo, boi! Enquanto ralhamos com a nossa má sorte, somos obervados por outros condutores que pouco mais têm de fazer senão olhar para as nossas esquizofrenias. No meio destes voyeurs de rodas, está lá uma loira, sozinha, de vidros abertos, a ouvir BonJovi, que mesmo nesta situação consegue ter um sorriso na cara como se esta fila fosse um golo do Benfica. Dentro dos carros, ganhamos aquela confiança de não desviar o olhar sempre que o cruzamos com outro, e deste modo torna-se inevitável não ver naquela loira as nossas dores e lamentos de trânsito. Sentir que alguém nos compreende desde logo, sem palavras, sem contacto, é algo que só nas filas de trânsito acontece. Tenho para mim que se a vida fossem filas de trânsito não haveria encalhados no mundo, nem o vaticano deixaria os padres conduzir.
Logo de seguida ouvimos uma buzina que diz “Tira os olhos da moça e anda com a lata velha para a frente oh atrasado!”, e lá vamos nós, trocando o ponto azul do GPS pelo amarelo da menina.
Quanto a mim, boas notícias. A mulher da minha vida, será tudo menos claustrofóbica. 

Vou ver se há filas de trânsito para os lados de Curitiba.

23/04/2013

Bayern Munchen vs Barcelona



Quando um rapaz como eu julga que tem a noite estragada, o Barcelona aparece e salva-o! Estava tudo a correr ligeiramente mal, mas aparece o Barcelona e levou 4 golos que é um alívio, e viva o Barcelona. É que até se dorme melhor e tudo.
Eu tenho para mim que o jogo de hoje entre o Bayern Munchen e o Barcelona (Já não consigo fazer isto sem rir), não foi bem um jogo. Aquilo foi sobretudo falta de educação. Receber as pessoas na própria casa, que ainda por cima são simpáticas e Espanholas, colocar a bola no chão e depois ensinar a melhor equipa do mundo a jogar futebol, metendo a bolinha das estrelas nas redes, e assim quatro vezes – não é futebol, é crueldade.
E o que dizer da disponibilidade física do Robben? Aquilo é fazer pouco! É que parece mesmo aquelas regras que nós putos inventávamos para equilibrar o jogo «Como vocês são fraquinhos, nós só podemos ganhar se for por mais de 3». 

E assim foi! (Ainda me estou a rir)

A influência feminina

É real, e não foi inventada por mim. 
Essa influência catastrófica vem desde o primeiro livro de Moisés – Génesis – e desse modo remete-nos para antes do nascimento de JESUS, pouco depois da criação da terra. Um paraíso visto daqui, porque Vítor Gaspar sendo pó, parece-me poético. 
Nesse tempo ADÃO andava sozinho na terra, tendo este sido criado para lavrar, guardar e dar nomes aos animais do planeta. Desde logo se coloca o homem a trabalhar arduamente sem fato nem gravata (Façam atenção nisto, e informem a nossa classe politica). Após longos campos de cultivo, Deus apercebeu-se então que ADÃO estava sozinho, e fez a EVA. Aqui é que a coisa mudou, e deu-se oportunidade para o nascimento do Vítor Gaspar, Relvas, Passos Coelho, e Sócrates. (Génesis 2.18-25) Eu sei que eles só iriam nascer milhares de anos depois, mas só essa possibilidade já era intimidadora na altura.
DEUS no princípio criou os céus e a terra, o mar e o ar, os animais e as árvores, assim como todas as condições á sobrevivência e multiplicação do homem. Mas a EVA não, não desta forma, e porquê? Digam-me a verdade, por uma costela não queriam milagres pois não? Foi o que se arranjou.
Ao ser criada, ADÃO olhou para EVA e comentou “ESTA, afinal, é osso dos meus ossos e carne da minha carne; chamar-se-á varoa, porquanto do varão foi tomada”. (Gn 2.23) Sabe-se então o porquê de EVA ter sido criada da costela de ADÃO, e não do barro.
É que EVA não foi criada para ralhar com ADÃO, ou para gritar ao ADÃO que está farta de futebol; que ADÃO tinha deixado a tampa da sanita levantada, ou mesmo para obrigar ADÃO a comprar sapatos de salto alto e oferecer-lhe. Nada disso. 

EVA foi criada, para ser companheira de ADÃO, estando ao seu lado e auxiliando-O em todas as situações.
Deste modo, a cumplicidade entre ADÃO e EVA era tão forte e verdadeira que ADÃO se deixou enganar.
ADÃO que até então sempre levara uma vida santa, baseada na confiança deixou finalmente EVA tomar as rédeas da situação, e confiando nela plenamente, nem a indagou quando esta lhe ofereceu uma peça de fruta que DEUS tinha proibido. (Sim, foi EVA que tentou e ofereceu a ADÃO a maçã – Gn 3.6). Ele simplesmente aceitou. 

EVA podia ter pedido que ADÃO escrevesse “ADÃO Love EVA” na árvore do conhecimento, podia ter-lhe até dado um Iphone, mas envés disso, ofereceu-lhe o fruto proibido. Está bem.
Caíram no pecado juntos, e conheceram o bem e o mal. Começaram a ver-se nus, e a ter um olhar diferente um sobre o outro. 

ADÃO fez-se amigo de EVA no Facebook, e ao fim de uns ‘Likes’, já andavam a esconder-se de DEUS. Apagaram comentários, mas DEUS, a quem nada escapou, fez print-screen, e chamou-OS (Gn 3.8).
Conclusão; deste pequeno texto, podemos então compreender que ADÃO e EVA são não somente um exemplo de companheirismo, mas acima de tudo a demonstração empírica do poder de persuasão da mulher, e da submissão que obriga ao homem.
O que a mim me parece é que se a mulher tivesse sido criada para influenciar nas decisões do marido, talvez DEUS a tivesse criado juntamente com ADÃO, para o ajudar a dar os nomes aos animais da terra, e não somente para O tirar da solidão nos jardins do Éden. Para isso, um Mp3 chegava.

Sem lágrimas, vá

Para os adeptos de futebol em geral, Sportiguistas em particular;

"O tamanho do objeto que se carrega é proporcional à comichão no nariz".

22/04/2013

Benfica

Acabaram os 90 minutos que mais nervos me fizeram ter. O Benfica ganhou 2-0 ao Sporting, e fica assim muito mais próximo de validar o título de campeão nacional. Arbitragens aparte, ganhou a melhor equipa, é para mim justo comentar que já se vê muito de Jesualdo Ferreira naquele Sporting. Por outro lado, faz-me uma certa confusão ver o Bruma, o Ilori e o André Martins a jogarem da forma fantástica que fizeram, e o Sporting a gastar 14 Milhões em Bonjinov, e Elias. Da mesma forma, é também justo falar do segundo golo do Benfica, marcado por Gaitan e Lima. Quem joga ou jogou futebol, entende perfeitamente que aquele golo não acontece por acaso. Só por rara magia divina se constrói uma jogada daquelas. Parabéns ao Sporting pelo imenso jogo que fez. Parabéns ao meu Benfica, faltam só mais 5 desafios, onde o último é o Marquês.

21/04/2013

Cobardes

A paz sem voz não é paz, mas talvez medo. No entanto uma voz sem cara não é razão, é COBARDIA!

20/04/2013

Passar o tempo

Há horas que passam em minutos, e segundos que valem uma vida.






Inspector Max

Neste momento está a dar na Tvi um episódio do Inspector Max, onde tentam capturar um Skinhead chamado Adolfo Hilário.
O Inspector Max é mesmo fantástico. Resultado disso é só no tempo de vir aqui escrever isto, e já começou a passar uma cena em que capturaram um terrorista em Boston. O cão ainda agora estava na PJ de Setubal e entretanto já capturou um Russo na América. Não me canso, fantástico este Max!

18/04/2013

O melhor do esforço

A busca da felicidade é desumana, e até Dalai Lama (14º) escreveu sobre esse esforço inócuo. Hoje, passados imensos anos de tal sapiência, ainda acrescento que ninguém quer ser feliz pelos motivos certos.
Fantástico eu sei, dois erros só numa frase, não me agoira grande texto mas assim como assim, é mais um desafogo.
Existe hoje a vontade frenética da perfeição, do resultado histórico, do tropeçar na simbiose perfeita, e ser o mais feliz do mundo. O coração grita por um lugar ao sol todos os dias, e como é cada um de nós que o atura, é mesmo melhor dar-lhe quanto antes. Nada menos que uma coroa, nada menos que um castelo. Essa história de o construir a dois, pedra a pedra, é para trolhas, e por isso mais vale investir na prospeção de mercado que perder tempo em obras. Vai no fim, ainda alguém a embarga. Os diamantes brutos são para vender a peso, e depois logo se arranja aquele fio que é mesmo a nossa cara.
Tenho para mim, que nesse raciocínio perro, há paradigmas que lhes escapam. Ainda não entenderam que a minha perfeição é diferente da tua, e ambas se constroem, ou não serão elas nossas, nem sequer perfeitas. Sejam descartáveis com a sopa, ou com as máquinas fotográficas. Não com as pessoas.
O que mais valoro nos génios é a sua capacidade de ser intemporal, e Dalai Lama foi inquestionavelmente de uma grandeza ímpar nesse sentido. Do despautério todo que acima referi, o Profeta termina o meu texto como o que mais o surpreendia; ‘o homem perder a saúde para juntar dinheiro, e depois, perder o dinheiro para recuperar a saúde’.
A lógica continua a mesma, seja em assuntos profundos a que Dalai Lama se referiu, quer em caprichos como eu escrevi.

17/04/2013

Tribunais, orgãos de soberania

Não foi há muito tempo que usei a seguinte frase: ”…ainda estamos num país, em que para boa parte do mesmo, uma notícia sensacionalista, valerá sempre muito mais que um acórdão judicial”, mas afinal não é necessário nenhuma notícia sensacionalista; o desrespeito pelos tribunais materializa-se só porque sim. Coloque-se as questões deste modo;
- A República Portuguesa é um estado de direito democrático – Artigo 2º da CRP.
Uma das características de um estado de direito, é que as decisões dos tribunais são obrigatórias, e prevalecem sobre a toda e qualquer outra autoridade. Isto também não sou eu que digo, é o Artigo 205/2º da CRP. Toda a atitude que seja contrária a uma decisão de um tribunal, é uma afronta ao mesmo. (Como este exemplo). 

As conclusões a retirar desta situação, assim como a postura do PM em relação ao acórdão do TC, é no mínimo uma irreverência desrespeitosa que não fica bem a muita gente, e piora quando é o Primeiro-Ministro de um país. Um tribunal jamais poderá ser um adversário político, muito menos um bode expiatório de um mau resultado. O poder judicial não tem, nem pode ser subsidiário do poder político, mas antes um órgão norteador dos limites a implementar. (Estado de direito)
Já as nomeações dos Juízes do TC, não são para mim uma grande separação e interdependência de poderes, quando mais esta clara tentativa de desjudicialização dos tribunais, tentando politizar a todo o custo. Absolutamente contra.

15/04/2013

Facebook a estragar relações desde 2004

Facebook é incompatível com o amor. Sei que é radical a afirmação, mas infelizmente milhares de encalhados espalhados pelo mundo a apoiam. A sociedade vai sofrendo as metamorfoses normais da evolução, o chato é que essa modernidade glorifica a tecnologia prejudicando as relações. A culpa não é dele, nem dela. A culpa é do ‘like’, a culpa é da tal amiga do primeiro beijo que reapareceu, «tem cara de vaca, não tem?», a culpa é do rapaz que nunca mais a viu, e fala agora ao fim de 2 anos, como se ontem tivessem a chorar no ombro um do outro. Quem ama tem receio de perder, e é saudável se ficar por aqui. Não fica!
Não é que o planeta seja feito de egoístas, mas ter de partilhar a nossa cara-metade com 5.000 novos amigos, é um exercício que vai crescendo como lava, e a erupção surge um dia. «Não é que tenhas culpa amor, eles é que se esticam».
Se é verdade que bonitas relações começaram na rede social da moda, vos garanto que milhares delas são hoje só mudanças de estado (Por sinal com inúmeros Likes- vai-se lá entender). A linha é ténue e façam atenção a esse Facebook, pois é «Bullying cibernético» que esse Mark Zuckerber nos ofereceu.
O facebook foi aquele menino que tirou apontamentos do Hi5, a cor do Myspace e nasceu ainda mais forte na sua missão assolapada de dizimar os pombinhos. Corro o sério risco de me apaixonar pela primeira moçoila que no dia que ia abrir a conta de facebook, preferiu comer uma maçã.
Nesse dia, serei que nem Adão a trincar o fruto proibido da árvore da ciência.