05/10/2012

5 de Outubro

Em tempos que um povo celebra a implantação de uma república inconstitucional, erguida sobre um regicídio sem consulta popular, e omite quase por completo o verdadeiro significado do 5 de Outubro, urge necessidade de deixar explícito um pouco do real significado do dia de hoje. O 5 de Outubro é actualmente fazer uma introspecção sobre como uma implantação se sobrepõe a um nascimento. Sinais dos valores que temos. Por isso hoje celebro o Tratado de Zamora, que foi um diploma resultante da conferência de paz entre D. Afonso Henriques e o seu primo, Afonso VII de Leão e Castela. Celebrado a 5 de Outubro de 1143, esta é considerada como a data da independência de Portugal.
Relativamente á possibilidade de existir uma alteração para um sistema monárquico, essa está actualmente vetada por força do Artigo 288º B), da CRP.
Na realidade nem sei até que ponto não se deve falar de um carácter contraditório com alguns principios fundamentais da nossa Constituição, como por exemplo a livre ideologia politica consagrado algures no espirito da lei do art 13º. Essa limitação imposta pelo Art. 288º b), mostra-nos a democracia mais fantasiada de todas. É um reflexo de bloqueamento mental, na vã espectativa de que se caía no esquecimento de que uma monarquia, acima de opções sociais, é sem dúvida das únicas formas que dão alma a um país. Em alturas em que se vende luz, espáço aério, património e até a própria língua com acordos impensáveis, o país é visto por uma república que olha para fronteiras e contas bancárias. Um país é mais do que isso. A monarquia mostra um país além fronteiras, com um espirito, e uma alma que só se sente quando é impulsionada por uma monarquia que arrasta consigo toda uma história, um passado que a todos nos deve orgulhar. Especialmente em momentos mais complicados, poderia sim o regime misto, além da divisão de poderes (Seg. Social, Finaças - Ex: Monarquia Inglesa), também trazer de certa forma a esperança e alento a milhares de portugueses que estão desacreditados de um país sem alma. Em modesta opinião, urge a alteração do Art 288º B) que diz que é "inalterável a forma repúblicana de governo", para um sensato "Inalterável a forma democrática de governo", e isso sim seria uma real democracia, e um vantajoso passo para um futuro sem esquecer de onde viemos. Viva Portugal!