08/05/2012

Justiça Cega



Azáfama assombrosa esta vida. Após os escassos indícios de recuperação de uma gastroenterite viral se fazerem sentir, lá se rumou para o Casino da Figueira da Foz, de forma a dar continuidade e contributo ao programa 'Justiça Cega'. Começando o jantar ás 21:45, restou-nos menos de 15 minutos para nos alimentar, de forma a prestar presença numa das salas mais bonitas do país. Com a mestria e humor requintado dos intervenientes, foi assim que começou a tertúlia, e foi após a mesma, numa sala de acesso restrito deste mesmo casino, que fui presenteado com uma mesa rectangular adornada com inúmeros tipos de queijo, nozes e bebidas. Nesta mesa, existiram conversas do além, e rábulas de peripécias e experiências vividas, por quem as soube contar. E ali, onde sem luzes, sem câmeras, sem microfones ou VT's, é que se conhece as pessoas. Que se ouvem as expressões que o cérebro não filtra, e uma realidade diferente de todo um teatro. Ao olhar para o relógio na hora da retirada, espaço para responder a alguns emails e mensagem de apoio, e já são duas horas da manha. O tempo corre quando não pensamos nele. Nesse mesmo dia, de volta para Lisboa, onde se pode enfrentar um nevoeiro Britânico, que tornou imperativo a velocidade de 80km/h, em variadas zonas da auto-estrada. A chegada foi marcada para a quatro da manhã, onde os olhos e corpo não mais tinham forças para responder, mas o espirito esboçava um grande sorriso. 


Para os mais curiosos, fica aqui a foto da cédula do Dr. Marinho e Pinto,(Delicadeza de Alberta Marques Fernandes), Bastonário da ordem dos advogados, datada de 1985. Não obstante a uma obrigatória visita ao Casino da Figueira, para vislumbrar uma exposição histórica e única da Ordem dos Advogados em Portugal.