07/03/2011

(I)maturidade

Se há máximas que a imaturidade ainda não me deixa respeitar, será sem dúvida: «Prefiro o teu sorriso longe dos meus braços, do que as tuas lágrimas a molhar o meu ombro»
Se um dia chegar a esse dilema, espero-me mais maduro, pois por agora, só imaginar me faz confusão...