janeiro 20, 2011

Cátia

Foi condão do céu por certo, foi talvez aura celeste, que, ao nasceres, recebeste e em ti se difundiu. E, forte, desceste ao mundo, brilhando de luz divina, essa luz que me fascina, que nas trevas me sorriu...
Este ansiar incessante, esta esperança ainda tão vaga de gozos, que a mente afaga, mal lhe sabendo o valor, este ignoto sentimento...
Deus do céu, será o amor? Amor! Que palavra é esta, que ela só me sobressalta e mil sensações exalta desconhecidas para mim... Que poder mágico encerra para me agitar assim?
É o amor o sentimento que me faz arfar o seio?
Este gozo por que anseio e a que inspira o coração?
É pois amor este fogo, esta vaga inquietação?'