outubro 07, 2009

Autarquicas em Almada


É certo e sabido que Almada pertence a Maria Emília. É certo e sabido que Almada, em termos de autárquicas, é dominada pelo CDU. O espanto passa mesmo por esta noite em debate da RTP N, o deputado socialista Paulo Pedroso, numa constante coerência e classe, assassinou um discurso comunista, repleto de vícios e mentiras bem sonantes.
Foi que nem tiro em cheio no alvo comunista, quando em abordagem ao assunto relativo ao tremendo disparate que consistiu em fechar a principal avenida de Almada ao transito, deixando a revolta e o medo dos comerciantes, pelo pouco dinheiro, insuficiente para a própria renda da loja.
Ainda em sede do Metro de superfície, houve um deslize no valor do dobro do valor de toda a obra. Foi o tanto falado de «Politica arranjadinha», que o Dr. Francisco Louça, tanto falou. O porquê é simples; Maria Emília, com irmã e sobrinha a fazer parte da administração da ECALMA. Fica agora esclarecido o porquê da tremenda dificuldade de encontrar um lugar para estacionar em Almada, em lugar que não seja pago.
Agora querem saber o porquê do Metro de Superfície?
Tendo em conta que o próximo, se trata do ultimo mandato possível de Maria Emília, e só para repararem na dita «Politica arranjadinha», esta senhora já têm assegurado um lugar na administração do MTS.
Está agora respondido o porquê do Metro de superfície? E o deslize do dinheiro nas suas infraestruturas? Por outro lado a explicação do escândalo quando ao prazo das obras, que se atrasou em 3 meses, não há nada de criminoso. Foi só mesmo falta de respeito e desorganização.
Falta de respeito e desorganização, não são ainda contra-ordenações ou crimes que constem na lei, de forma a que se deva punir a quem os comete. Ainda assim, todos concordamos que são situações que não deviam acontecer. Chegou a hora, de fazer um pouco de justiça, a todas essas lacunas. Hora de fazer ver que não se pode exigir um voto, quando não se cumpre com o respeito.
Hora de fazer sentir, que nós Almadenses, o pouco poder que nos deixam, ao menos quando o usamos, é para trazer justiça a Almada.