Foi o último Cavaco

Aníbal Cavaco Silva foi mais uma vez ele mesmo, congregando a sua fragilidade demencial, sem noção de quem é, nem do cargo que ocupa. Quis sem pudor deixar para a História a sua indecorosa estória, aquela em que nunca se permitiu ou soube assumir a voz da nação, a representação dos cidadãos ou mesmo descer do seu pináculo de zurpação de interesses aos mortais do povo.Quis deixar a mensagem de um caminho de obstruções, onde com o seu facciosismo sempre foi estorvo principal deste trilho. 


Deixou o seu último trejeito num dia de liberdade, mas também eu anseio que os portugueses não se olvidem da sua estória. Não devem.

Sonho Angolano

Já é hoje é hoje virtualmente impossível para um particular transferir dinheiro para fora de angola pelas vias oficiais.
Os bancos comerciais são obrigados a converter kwanzas em dólar a uma taxa em torno da oficial, e porventura será este o motivo para recusarem a transferência aos clientes, afinal, estariam a perder dinheiro.


Por outro lado, a própria liquidez deverá estar bastante apertada, numa altura em que os mercados internacionais se fecham e o banco central deverá dosear a cedência de reservas, elas próprias depauperadas pela crise do petróleo.
Tempos difíceis para quem acreditou no "sonho Angolano".

EU NÃO SEI O QUE É O 25 DE ABRIL

E se gostava de deter um relato histórico e esclarecer com minucia onde estava eu naquela manhã de 25 de Abril de 1974. Infelizmente, foi só passados 12 anos que nasci, o que parecendo que não, complica as memórias desse dia, e as tardes fantásticas a discorrer sobre o mesmo.

Aparte disso, a Revolução dos Cravos, é decisivamente o episódio histórico nacional que mais me agrada, que fiz questão de aprender, estudar, procurei os detalhes, livros, depoimentos, persuadi umas quantas visões no centro de conversa entre amigos do meu pai.

Serei um eterno Aprendiz. Estou consciente da impossibilidade de dilucidar com justiça o sentimento de 41 anos de opressão em textos de duas folhas ou reportagens de duas horas. É tanto mais do que isso.

Tenho para mim que 41 anos de opressão, isolamento e medo, ultrapassam em muito o dia 25 de Abril de 1974, e não sucumbem totalmente nem mesmo 41 anos volvidos.
Essas interiorizações em muitos dos Portugueses são inexplicáveis a quem as sente, ou a quem as tem sem sentir, porventura, até sem saber.
São 41 anos que descortinam o fundamento de muitas das decisões que o povo português tem vindo a tomar até então. São máculas de absolutismo que ainda hoje se sentem neste povo.

O que queria deixar claro é uma mensagem de coragem. Não posso oferecer esperança, mas gostaria de que se abstraísse o medo deste nosso povo.
Quando as televisões, rádios e jornais falam hoje sobre o 25 de Abril, acho primordial que se releve a perspectiva da coragem demonstrada por aqueles que acreditaram, que sonharam, e avançaram!
Em resultado da sua coragem, trouxeram-nos a Liberdade, e essa teve o seu pináculo no dia 25 de Abril de 1975, com eleições democráticas.
Infelizmente, hoje o medo é uma constante, e em inúmeras cabeças surge a imagem que todos podemos ter tanto a perder quando expomos a nossa ideia, os nossos desejos, os nossos juízos, conceitos, opiniões, e mesmo quando se grita que é injusto! por aí se fica, admitindo-se cercearem-nos da nossa liberdade.

Não foi para isto que se fez o 25 de Abril. Este temor instalado, é um desagradecimento vincado para com aqueles que tanto me fazem sentir orgulhoso de ser Português.

Não sei o que é viver no domínio da opressão de livre opinião, na persecução persistente do medo, ou não gozar o direito de sufrágio, mas tenho a certeza da minha convicção, dos valores que devo seguir, do que quero, e de como quero o meu país. De como quero viver.

Isto foi-nos oferecido. Um legado de força e combate ao medo.



6-1 - Pesadelo em Munique

Ontem deu-se o terror em Munique. O F.C.Porto foi goleado pela melhor equipa em prova, que só precisou de 37 minutos para arrumar com esta celeuma da esperança Portuguesa.

Não foi estranho notar que muitos adeptos do F.C.Porto, após a primeira mão, e no fervor natural da emoção, sentissem que o favoritismo era seu, e que a passagem às meias-finais um corolário da radiosa exibição no Dragão.
Porém, o que me faz alguma confusão, é o Treinador, Sr. Lopetegui, partilhar dessa superfluidade de euforia, que veio a alterar substancialmente as suas resoluções tácticas.


Acompanho com gosto este Bayern de forma mais rigorosa desde Guardiola, e desde logo me apercebi que funciona como um compressor. O treinador do Porto deveria ter preparado os seus jogadores para essa situação, a si mesmo, e jamais colocar-se em campo linhas tão recuadas, o que gerou (naturalmente) um sufoco de 45 minutos, cinco golos, e a eliminatória resolvida em 37 minutos.


O Porto (sem Danilo e Alex Sandro) foi eliminado pela melhor equipa da actualidade, porém, também não foi essa equipa que os eliminou. Não se enganem.

Estas derrotas são engenhosas em desmotivar, cerceando a confiança e inspiração de uma equipa, e por isso, sabiamente os adeptos correram em massa ao aeroporto, recebendo os jogadores, e demonstrando que é importante saber perder.
 

Gigante Adamastor das Vergonhas

Todos os dias centenas de imigrantes ilegais tentam alcançar a Europa. É pérfido dizer-se que sucumbem às águas impiedosas do mediterrânio, na vácua tentativa de alcançar o sonho de uma europa em forma de sucesso. Mas agrava na razão.
A realidade passa uns furos abaixo dessa decência, e o pulo para o Adamastor é nada menos que uma evasão ao domínio. Domínio da fome, da miséria, da tristeza. Lançam-se na viagem conscientes da probabilidade de ser a última, conhecedores dos perigos, cientes das suas fragilidades (des) humanas.


Mas expliquem-me, qual a porção de desespero necessário para se arrojarem à prova onde só a minoria conquista? Como se vive um destino na ponta de uma arma?

Tudo serve de nada, se não for a vida inquietação premente no mundo. Exige-se imediatamente que a U.E. execute de uma vez, o cumprimento da solidariedade, que vem plasmado como um dos seus princípios fundadores, disponibilizando recursos para estancar de imediato estas letargias de líderes profanos.





F.C. Porto - Vergonha

As afirmações de Declan Hill terão tanta alerta na comunicação social nacional, como logrou a confissão do Casagrande sobre o uso normalíssimo de dopping no F.C.Porto.

Por detrás de todas estas descontentes evidências, alimenta-se um risco de dano crítico no prestígio internacional que a todos os amantes de desporto e não só, deveria desassossegar.

Revisão Constitucional Ad Hoc

Pela cadência de prenúncios, permanecia eu muito pacífico na expectativa de que isto fosse acontecer, mas nunca vos transmiti do quê.

Ora, nesta senda onde os media nacionais fincam pé na sua constante ingerência em tudo o mais que não sustam legitimidade, finalmente chega o dia que um ‘Jornal’, pasme-se, decide elaborar uma proposta de revisão constitucional.


Portugal passa assim, a ser o único país do mundo onde um ‘Jornal’ quer elaborar a Revisão Constitucional de um país.
Orgulho.


O ‘Jornal’ é o já conhecido “Observador/Jornal-oficial-do-Durão-Barroso”, e a proposta já pode ser consultada.

Benfica - Campeão Nacional Hóquei em Patins

O Benfica acaba de se sagrar Campeão Nacional de hóquei em patins, no Pavilhão da Luz, goleando o F.C. Porto por 4-1.
Mais que futebol, Benfica é uma das maiores instituições desportivas do mundo, alcançando resultados invejáveis nas mais variadas modalidades.

Benfiquistas orgulhosos, porque só nós compreendemos.



Repórter TV

Desde o meu primeiro ano de curso que me instruíram a analisar a qualidade de um país, na forma como tratam os seus reclusos.
Após uma apressada reflexão, conclui-se pela incontestável assertividade dessa máxima.


Contudo, hoje ao assistir à “Repórter TV”, retira-se algo especialmente tenebroso. A capacidade que as nossas elites têm de menosprezar o que de mais valioso existe no mundo. A vida.
A deterioração daqueles que devem ser os pilares principais e intocáveis da nossa sociedade (Justiça, Saúde, Educação), são a manifestação empírica que esta crise é muito mais penetrante e dilatada do que o nível financeiro que nos querem fazer acreditar.


Despertar esta sociedade para a crise, na sua face dura e real, seria papel para os nossos lideres, que não temos, para o nosso governo, inexistente, seria o papel das nossas forças sociais, que estão mais interessados e metidas em jogos de poder, do que na atitude de serviço. Tal como Camões transmitia, que «Fraco rei faz fraco a forte gente»; e nós temos uma falta desesperante de líderes, temos uma sociedade montada numa espécie de Sebastianismo.


É urgente, e urgente gerar, um sentido de solidariedade, um sentido de coesão social nacional. Por ora, o que se apela é sempre á fractura, é sempre e só à deflagração social, na busca de votos e reputação política.
O nosso Presidente da República está no poder desde 1980. Estamos a encarar questões muito graves, com os mesmos profissionais da política que nos conduziram até aqui.


Seria este o tempo de demitirmos os políticos profissionais, substituindo-os por profissionais na política. Nós temos tantos denunciantes, e não vejo proclamadores, e os poucos que temos, mentem em estratagema.
Andamos outra vez com esta quimera estatística da politização, mas a realidade é que temos um nível cultural paupérrimo. Governar para estatística, tal jogo de interesse. Não podemos esperar por um Messias, temos é de fazer de todos nós a pessoa que aponta o dedo e grita «O Rei vai nú», por muito engravatado que esteja.


A Reportagem que hoje vi, conta-me mais.
Diz-me que estamos a produzir uma sociedade montada na fachada. Estamos a desfigurar gerações, que vão ser o futuro deste país. Receio pelos meus filhos, pelos meus netos.


Estão jovens a desenvolver-se sem bases, estão a crescer sem valores, estão a agraudar-se numa sociedade que está montada no ter, e esqueceu o ser.


Negociar seres humanos daquela forma, vulgarizar os nossos idosos nos nossos hospitais com tal naturalidade, é procriar gerações de jovens sem memória, é criar gente sem história. Quando a memória e a história não se encontram, encontram-se os cataclismos sociais.


Estamos a crescer colectivamente sem memória.