Casamentos forçados na etnia cigana.

A diferença entre a estupidez e a inteligência, é que a segunda tem limites.

Hoje, na Grande Reportagem 'Vergonha & Honra' da Sic, é por demais notória essa evidência.
Em visões de casamentos forçados, tradições e culturas, assistiu-se ao pináculo da ignorância humana.


Desgosto.

Vistos Gold

Censurar a existência de Vistos Dourados de Portugal, é nada mais que atacar o problema pelo lado da liberdade, e não o da corrupção.
O sector imobiliário é, e deve ser explorado como factor de incremento de capital económico no estado. Para o efeito, a par da empregabilidade.
A consciência tem de ser outra, e passar por uma construção de uma consciência social e colectiva de co-responsabilidade social.
As nossas elites têm manifestamente perguntado ao país o que ele pode fazer por nós, quando a pergunta assertiva seria, ‘pergunta-te a ti, o que podes fazer pelo teu país.’
E no fim a culpa é dos Vistos?

Com ternura

Terás sempre a inocência no olhar de quem me quer saborear?


Ao teu lado apetece a eternidade.
Apetece ganhar-te o secreto amor,
abençoado esse modo delicado de ser
como se o desejo em ti fosse beber...


Contigo apetece o espanto do despertar.
Dando-te a o céu e a lua,
pois se te olho, a riqueza do mundo
é minha, e muito mais tua!

Assaltaram a casa de Artur Moraes

Nós somos da margem do deserto. Pertinho da praia, sol, e onde ‘jamé’ haverá um aeroporto, o que é bom.
Tudo bem que somos hospitaleiros, gostamos de receber com afabilidade, boa música, boa comida e festa rija, mas a vizinhança anda aqui com visitas a meio da noite, para as quais não surgiu convocação para o festim. ( http://www.cmjornal.xl.pt/…/veja_o_assalto_a_casa_de_artur_… )
Parece que não, mas fica chato. Especialmente o pijama do Artur.
Mas não é de agora. ( http://www.dn.pt/desporto/benfica/interior.aspx… )
Bem pertinho, vive o Sálvio, o Gaitan ou o Maxi, mas como têm estatura de matraquilhos, os invasores não querem espancar os candeeiros com a cabeça, e então escolhem as casas dos crescidos.
Está claro que o Peter Crouch ou o Jan Koller nunca lograriam jogar no Maior do mundo, ou então os salários não lhes chegavam para os banquetes surpresa.


Assim capitalizada a situação, quero deixar bem claro que não jogo no Benfica. Sim, aparenta-se óbvio a todos, mas para escumalha que se confunde, e assalta a casa com o Artur a dormir só por não saber que o Benfica foi para a Madeira no próprio dia do jogo e não antes, também me podem muito bem confundir com o Luís Filipe em grande. (Sim, o Luís Filipe não é jogador do Benfica, mas eles são confusos, recordam-se? Bom!)


Como dizia, fica maçador viver numa zona onde seleccionaram para assaltar casas, todavia, um verdadeiro residente da margem sul, mantém-se estoicamente fiel às suas origens, e não é por meia dúzia pertencente à plebe ralé, que se abandona a margem certa!
Por outro lado, e mais calmo, se o Artur insiste em dormir com um pijama daquela cor, eu vendo esta casa.
E anseio que lhe assaltem o guarda-roupa! Inaceitável!



Paz mundial

Para se poder alcançar a paz mundial genuína, duradoura e baseada na compaixão fraterna, é necessário que haja um sentido de responsabilidade universal. Em primeiro lugar, temos de tentar o desarmamento interior - reduzirmos a nossa raiva e o nosso ódio ao mesmo tempo que aumentamos a nossa confiança mútua e o nosso carinho humano.

Ajuda externa - A vergonha

A ideia de enviar centenas de jovens pré-delinquentes para casas de correcção, é na realidade, tentar capacitar o menor/jovem, daquilo que os pais não foram capazes. É dar-lhe uma oportunidade de reintegração. Não deixo de abordar estas situações, como uma transferência de 'legitimidade educativa' dos pais, (incapazes) para o Estado.
Aparece então uma entidade de nome comprido que nada é ao jovem, e tenta fornecer-lhe os valores, princípios, a educação, porque os seus progenitores foram incompetentes nessa matéria.
À porta do tribunal contemplo mães que incitaram os filhos a extorquir, por ora, choram por se responsabilizar da conduta amarga dos seus descendentes.


É neste âmbito que relaciono o acima descrito, com a ajuda externa ao país. É que também nós, somos filhos desacertados de um pai incompetente
A sociedade que vota num o governo irresponsável demais para governar, incapaz de o fazer, e então, obriga-se a uma transferência de legitimidade governamental para uma ‘Entidade’, por sinal externa, que nada é ao governo, e vem tentar ensinar-nos(lhes) a governar um país.


A diferença é que não tive a aptidão de observar o pranto da auto-responsabilização governamental, a vergonha da incapacidade a que nos obrigaram, e por sua vez, Ministros da Economia fazem shows de Stand-up na Assembleia da República, em torno de risos e galhofa.
A educação, a justiça, a economia, a saúde. São colunas primárias para o progresso de um Estado.

Porém, pior está a política. A governamentação.


Estes, vêm a receber aulas de um ‘professor fraudulento’, que ao contrário destes alunos não é totalmente órfão do seu encéfalo, contudo, não os vejo instruir-se minimamente com a lição.


Centros comerciais

Neste fim-de-semana participei na ‘maratona e meia de Carnide’. Em pista coberta dizem-me. Certo; mas a adversária era temerosamente resistente!
De uma preparação inextinguível. Em 3 horas da minha vida, a missão foi correr em perseguição da Patricia, na tentativa, inútil diga-se, de a amover das lojas de roupa.
Mas façam atenção gente. O Colombo tem o quê? 36589 lojas? Muito bem, multipliquem por sete sem medo, porque fi-lo em circuitos repetidos. Apercebi-me que já era a 59.ª vez que passava pelo corredor da Ana Sousa, quando os manequins que há uma hora atrás faziam pouco de mim, agora examinavam-me com lamúria de tal condenação.
Ir ao Colombo é equipolência de um curso intensivo de ‘Casa dos Segredos in loco’, porém encaminhar-se ao Colombo com a namorada, é a certeza que no fim da vida terrena temos o paraíso nos espera. Sim, porque se aquilo não valer como redenção, libertação, resgate, então tragam-me o Belzebu! Acho que o vi na Tiffosi!


A revelação é minha. ‘Sou racista de superfícies comerciais!’.


A proposta é austera, socorram aqueles casais, porque os esposos, maridos, namorados, ali, não se safam!

Prosseguia a narrativa, mas tenho a carência de estacionar de robe no meu sofá da sala, nutrir-me com 2 kg de gelado com marshmallows, pensar na vida, e ver o Diário de Bridget Jones com lenços de papel nos bolsos.
Destruído.



Portugal com licenciados a mais

Podia passar a vida a interpretar comunicados da Merkel, que daí, só eram claras duas asseverações. 

1. O Ivo é imbecil.
2. Discordaria da descomunal generalidade deles.


Assim colocado, parece-vos claro que estou a escrever para revelar que discordo da verborreia do peso pesado germânico, e bem podia estar sossegado, e comer uma maçã. Mas não.
É preferentemente para manifestar o ‘Quanto’ discordo.


Quando a Chanceler Alemã afirma que “Portugal tem demasiados licenciados", faltou-lhe a segunda premissa. Seria então;


Portugal tem demasiados licenciados, em licenciaturas absurdas, de 3 anos, repletas de um facilitismo assustador, que nada brindam à empregabilidade e cultura do país, transformando-nos em números, que infinito savoir-faire vai dando para os ostentar numa bandeja de estatísticas luxuosas”.

Já que é para se admitir a ingerência profunda de uma alemã que se despia com as amigas na universidade, na gestão e soberania nacional, ao menos que lhe transmitam o que afirmar, não vá repetidamente dar um tiro no pé, como sucedeu com o número de feriados.